Digital learning – o novo normal na formação (de vez?) e a confiança no mercado

11 de Fevereiro de 2021
A formação a distancia suportada em tecnologia (e-Learning), em tempos distinguida por síncrona (em tempo real com recurso a plataformas de vídeo/áudio conferência e interação entre formando e formador) ou assíncrona (acesso a conteúdos de aprendizagem em formato digital como vídeos, apresentações, avaliações ou outros objetos media acessíveis online para o formando de acordo com o seu ritmo de aprendizagem, independentemente do lugar e hora ou dispositivo de acesso) é há muito uma metodologia de formação assumida por um número vasto de empresas ou instituições de ensino e formação. Muitas destas organizações assumem ainda um modelo misto de formação entre presencial e online (b-learning ou blended Learning) como o modelo mais adequado na formação dos seus colaboradores ou alunos por este se melhor adaptar às matérias em estudo, à prática profissional ou tão só à dispersão geográfica dos intervenientes.

A evolução da formação no mercado corporativo 
 


Fonte: The Josh Bersin Academy

No contexto empresarial, segundo outro estudo da Research and Markets*, os negócios que utilizam o e-learning são mais duradouros e possuem uma força de trabalho mais produtiva. Isto porque a estratégia de recorrer a formação online permite atualizar competências e conhecimentos dos colaboradores de forma mais rápida e com menor custo (os conteúdos são reutilizáveis, de fácil disseminação e evitam por exemplo custos com viagens e salas físicas de formação) traduzindo-se em conhecimento positivo para as suas carreiras e para a própria empresa. A formação a distancia suportada em tecnologia já comprovou ser segura, eficaz e garante de um retorno muito positivo no seu objetivo principal, reforçar competências e conhecimento das pessoas de forma uniforme, contínua e rápida que se traduza num impacto positivo nas organizações e no seu negócio. 

A aposta contínua e a inovação de processos na formação das pessoas, com o foco em que a aprendizagem seja enriquecedora e impactante de forma a produzir melhores resultados na performance de cada colaborador, centra-se atualmente em criar “Experiências de Aprendizagem” (Learning Experience) centradas no formando, mais “humanizadas” e orientada aos objetivos a atingir, em que os sistemas tecnológicos de suporte são meros acessórios e nada intrusivos no processo. A forma como o formando “consome” a formação é também determinante na definição do melhor método, em que a evolução para o micro-learning ganha espaço por endereçar problemas específicos de forma mais imediata. Em tempos tão acelerados, o conceito de Learning in Flow of Work, ganha uma dimensão mais expressiva por ser baseado em conteúdos de produção mais rápida, mais concisos, mais direcionados e acima de tudo mais rápidos de assimilar permitindo ao colaborador voltar ao seu trabalho o mais informado e rápido possível.

Digital Learning em fase de Pandemia

A atual situação económica e social associada à situação de pandemia e a imprevisibilidade decorrente, obriga hoje a rever as previsões de crescimento deste método de formar e aprender. Nesse sentido, embora os indicadores económicos não sejam de todo favoráveis aos mercados em geral, pelo menos até meados de 2021 onde se espera o inicio de lenta retoma económica, o mercado do digital learning aparece em contraciclo, isto acima de tudo, por um crescimento da procura de plataformas de formação online decorrente do lockdown e confinamento em que o teletrabalho se assume como solução de continuidade de negócio em muitos sectores de mercado. Por sua vez, este boost esperado deverá ter um efeito de planalto algures na fase de retoma, e estabilizar em linha com as previsões pré-pandemia. 

O boost esperado, associado a vários outros fatores decorrentes da aceleração da transformação digital nas empresas como o advento das soluções em cloud, o desenvolvimento de conteúdos de forma aberta e suportado em ferramentas de desenvolvimento mais rápido e menos complexo (rapid-learning e micro-learning), ou até mesmo os programas de incentivos financeiros disponíveis, contribuem indubitavelmente para um panorama muito favorável ao mercado do digital learning. A produção em larga escala de conteúdos e o posicionamento de vários players no fornecimento destas soluções, contribuirão também para um custo de aquisição menor por parte das empresas.


 
Fonte: The Josh Bersin Academy

Em linha com a inovação contínua necessária em processos de formação e gestão de talento, sendo a retenção de colaboradores também um dos grandes desafios atuais nas empresas e que depende muito do desenvolvimento pessoal que a empresa permite ao colaborador, a introdução de novas abordagens nesta forma de distribuição de conhecimento com recurso a gamificação, realidade aumentada ou sistemas que integram inteligência artificial, permitem ir para além das abordagens tradicionais ao desenvolvimento de conteúdo, o que traz essencialmente uma experiência de utilizador mais apelativa e gratificante por ser mais personalizada. 

O segmento corporativo do mercado do digital learning e da gestão do talento, aquele em que o ISQe maioritariamente se posiciona, tem crescido de forma muito consistente a nível global, em que as empresas investem hoje estrategicamente mais em plataformas SaaS (Software as a Service) para o desenvolvimento de carreira das suas pessoas. Esta observação permite concluir que o software como um serviço é hoje um fator determinante em ligar organizações e pessoas através das plataformas cloud e que se tornará rapidamente o suporte com maior expressão para a implementação de plataformas de desenvolvimento de talento e formação.

É por todos estes indicadores que seguimos confiantes. O ISQe tem nas soluções de gestão de talento, bem como no desenvolvimento de conteúdos para digital learning, o foco da sua oferta de mercado, tendo já desenvolvido mais de 80 projetos de implementação dos módulos de Recrutamento, Avaliação de Desempenho e Compensação, bem como nos módulos de gestão de formação blended learning e Recursos Humanos da suite de gestão de talento, todos em modalidade SaaS, do nosso parceiro Cornerstone (reconhecido por analistas de mercado como a Gartner ou Forrester como líder no quadrante das soluções de gestão de talento), uma solução cloud unificada que cobre todo o ciclo de vida do colaborador na organização. Também, os mais de 500 cursos de e-learning desenvolvidos com recurso a tecnologias e metodologias inovadoras, para além de inúmeras aplicações de negócio à medida para vários clientes, permite-nos encarar hoje o futuro com confiança, essencialmente pela nossa experiência e claramente pela demanda atual do mercado.

* https://www.researchandmarkets.com - E-learning Market - Global Outlook and Forecast 2020-2025
Pedro Reis Coelho | Diretor Sales & Marketing | pedro.coelho@isqe.com 

Download PDF

ISQe

COVID como oportunidade para DIGITALIZAR negócios
Anterior
Helpdesk: um serviço que aumenta a produtividade das empresas
Próximo

Este site utiliza cookies para melhorar a sua performance, análise de tráfego e otimizar a sua experiência como utilizador. Ao navegar neste site, concorda com a sua utilização.